Jogos Africanos: Moçambique - Aldeia olímpica pronta no final de agosto (C/VÍDEO E C/FOTOS)

Jogos Africanos: Moçambique - Aldeia olímpica pronta no final de agosto (C/VÍDEO E C/FOTOS)

*** Serviço vídeo disponível em www.lusa.pt ***

Maputo, 17 jul (Lusa) - O complexo residencial que vai albergar as comitivas dos Jogos Africanos só vai ficar pronto no final de agosto, adiantou à Lusa o porta voz do Comité Organizador dos Jogos Africanos - Maputo 2011 (COJA), Penalva César.

"Esse é um trabalho que vai decorrer até muito próximo dos jogos. Estamos a construir 106 prédios novos, para um total de 848 apartamentos", disse.

Os X Jogos Africanos realizam-se em Maputo de 03 a 18 de setembro, depois de o país ao qual a organização inicialmente tinha sido atribuída, a Zâmbia, ter abdicado da sua realização.

As obras da Aldeia Olímpica arrancaram em finais de junho do ano passado e tinham data prevista de conclusão para o final deste mês.

Numa visita ao terreno, é possível verificar que alguns lotes de apartamentos ainda se encontram em fase, aparentemente, pouco avançada. Outros estão já a receber instalações eletrónicas, indiciando conclusão iminente.

Face ao prazo relativamente curto para o início dos Jogos Africanos, em 03 de setembro, Penalva César mantém a confiança de que a Aldeia Olímpica vai ficar concluída a tempo.

"As pessoas não acreditaram quando dissemos que íamos construir a vila dos jogos para ela estar pronta para os Jogos Africanos, mas ela está aí", afirmou.

Maputo apenas dispôs de dois anos para organizar o evento, após a Zâmbia ter desistido de acolher os jogos, por motivos económicos.

"O normal seria sete anos. Ora, a Zâmbia desistiu e, com essa desistência e com tudo o que se correlacionou, Moçambique ficou responsabilizado pelos jogos", explicou o porta-voz do COJA.

A zona residencial está instalada a escassos metros das piscinas olímpicas, que estão em fase final de obra. Mais de 3.500 trabalhadores ultimam os preparativos em ambos os empreendimentos, da responsabilidade das empresas portuguesas Mota-Engil e Soares da Costa.

Estão já a ser definidas algumas normas que evitem conflitos entre comitivas durante a estada na Aldeia Olímpica, como no caso da alimentação, que não vai incluir derivados de porco, para não ferir suscetibilidades culturais de algumas seleções.

"O que nós queremos é que essas pessoas todas, com as suas diferenças, com as suas ideologias díspares, vivam juntas e troquem experiências respeitando-se mutuamente", declarou Penalva César.

É com esse propósito que está a ser construído um espaço destinado à interação multicultural. "Vamos implementar uma rua com 28 metros de largura e 100 de comprimento, onde queremos que todas as culturas se encontrem e nas suas diferenças possam encontrar similaridades e possam interagir", anunciou o porta-voz do COJA.

EYP/LAS.

Lusa/fim.